sábado, 17 de julho de 2010

Fábula imperfeita.

A mocinha da história vivia feliz. Possuía uma vida relativamente boa e era muito dedicada aos estudos; até que em milésimos, perdeu seu coração. Ele foi perdido da forma mais injusta de todas, a mais cruél. Era um amor platônico, praticamente, impossível. Ela pensava nele, ela queria o bem dele, ela fazia de tudo para o fazer feliz, só que dentro de sua própria mente. Essa menina tem mesmo uma criatividade e tanta... Até que ela caiu na realidade e passou a desacreditar no seu amor impossível, porque depois de tanto tempo sem nenhuma prova concreta de que o que ela queria iria se realizar, foi aos poucos perdendo as esperanças, até não ter mais nenhuma. Pouco tempo depois, ela perdeu coração denovo... Mas dessa vez, não era platônico. Ah, como ela não gostava de gostar dele! Tudo o que ela queria é que alguém roubasse seu coração de vez. E esse alguém apareceu. Ele fez ela voltar a flutuar nas nuvens, acreditar que a vida pode ser muito melhor, mesmo com problemas, ele a fez voltar a viver! Porém, ele usava uma máscara. Ele nunca foi nada do que ele era com ela... E essa máscara, depois de um tempo, caiu. Ela se machucou muito ao saber a verdade, mas conseguiu lutar, e foi guerreira. Ela deletou da memória as lembranças, ela esqueceu. A chama da paixão estava fraca, quase apagando... Até que ele voltou, e contra a vontade dela, ele reacendeu a incontrolável chama. E ela sabia que tudo ia voltar a acontecer... Ela sabia que o fantasma voltaria para atormentá-la, mais uma vez... Então, ela sem pensar, se entregou totalmente. Entretanto, quebrou a cara denovo. Até que ela cansou. Cansou de falar sempre das mesmas coisas, dos mesmos problemas, os mesmos assuntos, para as mesmas pessoas, cansou da vida. Resolveu mudar... Até porque, essa mudança já iria acontecer de qualquer forma mesmo. Ela mudou tudo, mas não podia apagar do nada suas memórias. Não seria tão fácil assim. Ela enxergou um outro coração. Ah, cupido, o que você estava fazendo? Eles já se conheciam, mas não se falavam. Talvez, ele soubesse até o nome da 'menininha', mas não queria lembrar. O coração dela foi criando esperanças, e aos poucos, foi sendo desse outro coração... Até que ele venceu o seu desejo e recusou.

Final infeliz, história mais uma vez não clichê.

Nenhum comentário:

Postar um comentário